A vida de um fundador que marca com o sabor da saudade

Numa manhã fria e chuvosa, a 30 de dezembro de 2017, a Prospectiva despertava com a triste notícia da partida do Engenheiro José Bernardo Luz, o seu fundador. Tinha então 91 anos. Amigos, colaboradores e familiares imortalizaram-no em palavras relembrando-o como “um grande ser humano”, “um grande homem” e um “grande amigo”. O seu espírito visionário, perseverante e inovador, viverá para sempre na cultura da empresa que fez nascer.

Na verdade, para escrevermos a história da Prospectiva, temos que ligar a máquina do tempo e retroceder até ao dia 25 de abril de 1923. Foi neste dia, há precisamente 92 anos, que nascia José Bernardo Luz, homem de espírito inovador cuja mente nunca se deixou dominar pelas circunstâncias e que fundou, na sua trajetória de vida, a empresa onde hoje trabalham mais de 90 colaboradores, inspirados pelo seu trabalho, devoção e perseverança.

As Batalhas do D. Afonso Henriques da Prospectiva

Reconhecido por todos como uma pessoa simpática e divertida, muitos foram os que o ouviram autointitular-se como o “D. Afonso Henriques da Prospectiva”. Na realidade, o nascimento da Prospectiva foi o culminar de muitas batalhas vencidas, e fruto da mente brilhante de um estratega que soube usar, a seu favor, os parcos recursos do Portugal da época pós-revolucionária.

Engenheiro eletrotécnico de formação, José Bernardo Luz era então diretor da Companhia das Águas de Lisboa (atual EPAL) e professor do ISEL, quando começou a dar forma à Prospectiva, em 1977.  A primeira atividade da empresa, constituída por uma equipa de 7 pessoas, decorria em regime liberal, na Rua Latino Coelho, na sua casa, e tinha então o nome de Prospectiva J.F Bernardo Luz – Projetos, Serviços e Estudos. O primeiro trabalho desenvolvido pela Prospectiva foi um projeto de captação para a Câmara Municipal de Palmela.

A nomenclatura da empresa ficará para sempre associado ao perfil do Engenheiro José Bernardo Luz. De acordo com o dicionário Priberam, Prospectiva significa “o estudo das causas técnicas, científicas, económicas e sociais que aceleram a evolução do mundo moderno e previsão das situações que poderiam derivar das suas influências conjugadas”. A Prospectiva, tal como o seu fundador, é uma empresa que vê adiante do seu tempo e que tem incutida na sua cultura uma devoção ao conhecimento no sentido de tornar o mundo num lugar muito melhor. Pedro Castel-branco, assessor de administração, assegura que o Engenheiro foi o responsável pela cultura do desafio do conhecimento, inovação e pensamento disruptivo que fazem parte da cultura da Prospectiva.

Portugal deve à Prospectiva algumas grandes conquistas de outros tempos. A empresa foi uma das pioneiras na implementação, em Portugal, da tecnologia videotex, um serviço público de informação a que se podia aceder através de um recetor de televisão adaptado ou de um terminal especial ligado a uma linha telefónica, e que foi a grande precursora da internet. A válvula Hidroescape, uma válvula de alívio para instalação em condutas, foi uma invenção do Engenheiro José Bernardo Luz, juntamente com dois colegas da EPAL.

José Bernardo Luz manteve-se na Administração da empresa até 1997, mas o sei espírito irrequieto não o deixou parar e foi diversificando a sua atividade empresarial para diversas áreas.  Criou, entretanto, empresas como a Vireg, Alteca, Equiphidro, Vial, Joucecar, Planespaços, Gourmetrade, Espadachim, JM Luz, Aroundadventure. Tratam-se de empresas dos mais diversos ramos, nomeadamente centros de escritórios, stand automóveis, restauração, jardins, etc… E, como se não bastasse, em 2011, já com 84 anos, publicou o blog http://umzepovinho.blogs.sapo.pt/, onde assumiu uma voz ativa na situação política vivida no país da altura.

Na verdade José Bernardo Luz, para além de uma mente brilhante e empreendedora, era também um excelente ser humano. A terceira colaboradora efetiva mais antiga na empresa, Maria de Lurdes, caracteriza- o como “pessoa de fino trato”, que se “preocupava com o seu semelhante, a todos dedicando um olhar atento e uma palavra amiga”. Já Renato Xavier, do departamento de projeto da Prospectiva, considera-o “insubstituível” devido à sua “perspetiva ética e dimensão humana”.

As dificuldades nunca lhe abrandaram o animo. Muitos são os colaboradores que o definem como discreto, mas de “olhar maroto”, e recordam o seu gosto peculiar pela dança. João Simões, colaborador do departamento de fiscalização da Margem Sul recorda-o como como um líder que “nunca precisou de liderar. Preferia antes “apontar o caminho, motivando todos aqueles que se encontravam à sua volta”.

O Engenheiro José Bernardo Luz marcou muitas pessoas tanto pessoal como profissionalmente. É, por isso, um daqueles Seres Humanos únicos cuja vida marca com o sabor da saudade.