Construção de ETAR Faro-Olhão permite recuperação da qualidade de meio hídrico da Ria Formosa

 

A conceção da ETAR de Faro-Olhão foi um dos grandes projetos infraestruturantes do Sistema Multimunicipal de Abastecimento e de Saneamento da região do Algarve. A nova ETAR reveste-se de especial relevância, não só pelo significado social e pelo investimento que uma instalação deste tipo comporta, com tecnologia bastante inovadora, como também pela sua integração na Reserva Natural da Ria Formosa, uma paisagem e envolvente sensível.

A ETAR de Faro-Olhão situa-se no local da atual ETAR de Faro Nascente, no Concelho de Faro, a cerca de 2 km a este da cidade de Faro, numa parcela localizada no Sítio da Garganta, incluída na zona lagunar da ria Formosa. Em termos de implantação geral, a organização funcional dos órgãos e edifícios da ETAR foi elaborada com o objetivo de que toda a instalação fosse implantada fora das lagoas existentes.

O presente projeto de Conceção e Construção corresponde ao desenvolvimento técnico da solução de tratamento preconizada pelo Consórcio Adjudicatário, cuja linha de tratamento é constituída por um pré-tratamento com remoção de grossos, gradados, areias e gorduras, homogeneização e equalização de caudais seguido de elevação intermédia, tratamento biológico, filtração de parte do caudal e desinfeção.

A descarga final da água tratada na Ria Formosa realiza-se através de um emissário de 1,5 m de diâmetro com um comprimento de 1,5 Km.

O ANTES E O DEPOIS DA OBRA

A história começa em 2015, quando a Administração das Águas do Algarve lançou um concurso público para a ETAR de Faro-Olhão, que incluía a conceção e construção da instalação e o seu arranque.

Devido às características da zona onde se localiza a ETAR, e igualmente às características do meio recetor, o desenvolvimento e implementação da solução técnica constituiu um desafio para toda a equipa técnica:

  • O terreno disponível para a construção da ETAR localiza-se dentro do parque natural da Ria Formosa, realizando-se a descarga da água tratada para uma zona de produção de moluscos bivalves. Com este enquadramento, o Consórcio viu-se forçado à conceção de uma linha de tratamento robusta, com um tratamento biológico inovador e com capacidade para cumprir com requerimentos de descarga muito restritivos.
  • Por outro lado, dos 10 hectares de terreno disponível para construção, 8 estavam ocupados pelas lagoas de tratamento da ETAR existente. Assim, construir nessa área obrigaria a drenar a água, a construir um circuito de tratamento provisório e a tratar as lamas removidas dessas lagoas. Por este motivo, o Consórcio apresentou uma solução técnica compacta, com desenvolvimento em altura, o que, devido às más condições de fundação do terreno, obrigou ao recurso à cravação de estacas a uma profundidade de cerca de 15 m.

Estes 2 aspetos, em conjunto, dão-nos uma perceção geral da complexidade técnica ao nível do desenvolvimento da solução técnica e, posteriormente, da sua execução.

Em termos de Engenharia de Processo, salienta-se o dimensionamento e construção do primeiro reactor Nereda na Península Ibérica, o qual permite tratar o caudal da ETAR num volume cerca de 50% inferior ao volume requerido pelas tecnologias convencionais, sendo também relevante a redução significativa dos custos de operação associados ao processo de arejamento, logo desde o início do funcionamento da instalação.

Do ponto de vista da Construção Civil, e com o intuito de não construir nas antigas zonas lagunares, procedeu-se à construção dos tanques biológicos (11.000 m3 com cerca de 7 m de profundidade) sobre os tanques de equalização (8.200 m3 com cerca de 4,5 m de profundidade). Esta solução obrigou ao reforço estrutural de toda a estrutura de betão armado através da construção de contra-fortes, que rodeiam toda a estrutura, e ainda ao espessamento da base das paredes que, em algumas situações, atinge 1 m de espessura.

De referir também a densidade de tubagens enterradas, assim como um complexo perfil hidráulico que recorre a bombagem e a 2 tanques de equalização.

Por último, refere-se ainda que toda a instalação é desodorizada, o que obrigou à instalação de um sistema de tratamento com capacidade para tratar cerca de 62.000 Nm3 por hora e ao qual está associada uma rede de captação de ar viciada com uma extensão aproximada de 0,5 km.

A nova ETAR de Faro-Olhão está dimensionada para tratar o caudal de uma população equivalente de 113.200 habitantes e um caudal de 28.149 m3 por dia, permitindo obter uma água tratada com qualidade compatível com a descarga numa zona sensível como a da Ria Formosa (nível de desinfeção de 300 NMP/100 ml).

A nova ETAR permitirá, no médio prazo, a recuperação da qualidade do meio hídrico e, possivelmente, a retoma das atividades de produção de bivalves.

Foi com orgulho e elevado sentido do dever à causa pública que esta empresa realizou a Fiscalização, Gestão da Qualidade, Coordenação de Segurança em Obra, Coordenação de Gestão Ambiental e Acompanhamento Arqueológico da Empreitada de Conceção-Construção da ETAR de Faro-Olhão.

E é sempre com este orgulho e profissionalismo que estamos e continuaremos no mercado.

O ANTES

Antiga ETAR de Faro Nascente e local de implantação da nova ETAR de Faro-Olhão

A OBRA

O DEPOIS