Reabilitação da Lagoa do Caldeirão Grande

, ,
Reabilitação da Lagoa do Caldeirão Grande

A LAGOA DO CALDEIRÃO GRANDE

Lagoa do Caldeirão Grande foi apontada nos contactos com os técnicos do IROA, como a origem de água preferencial para o sistema em estudo pelo que elaborámos a sua caracterização bem como a análise das disponibilidades de água que tal origem pode assegurar.

A Lagoa do Caldeirão Grande, bem como a sua bacia hidrográfica, situa-se na zona ocidental da Ilha de S. Miguel, no Arquipélago dos Açores, no flanco SE do Maciço das Sete Cidades, imediatamente a seguir à Lagoa do Carvão.

A capacidade de retenção da Lagoa do Caldeirão Grande é reduzida supondo-se a existência de fissuras na fina camada de solo que deveria garantir a sua estanquicidade e que são certamente resultado da vegetação aquática existente e seu enraizamento.

SOLUÇÃO PROPOSTA

As geomembranas de PVC-P são utilizadas, há mais de 20 anos, como revestimentos para conferir estanquidade a lagoas tanto como geomembranas ou geocompositos. Em Portugal existem lagoas em perfeito estado de conservação com 12 anos, tendo conhecimento que nos últimos anos, a utilização de lagoas ou outros acidentes orográficos tem sido alvo de propostas de aproveitamento como reservatórios, nomeadamente na Ilha da Madeira.
Em Espanha e em particular nas Ilhas Canárias, são vários os reservatórios em serviço, destacando-se o de “Barlovento” (250.000 m2 e mais de 20 m. de altura de água no ponto mais desfavorável) e de “El Saltadero” (40.000 m2 e 20 m. de altura de água), sendo este último coberto para reduzir as perdas por evaporação, provocadas pelas temperaturas elevadas da zona.

Material proposto

O PVC-P é o material mais indicado para a estanquidade de reservatórios. Devido às suas excelentes características mecânicas, grande durabilidade (comprovada em vários estudos), possibilidade de realização de projectos complexos (drenagens, velocidades elevadas entre outros), redução da manutenção das lagoas e acima de tudo, devido à sua excelente relação custo/benefício.
Essas geomembranas são bastante estáveis aos raios UV e aos microrganismos e a sua durabilidade real é superior a 20 anos em algumas obras realizadas.

Cliente: IROA
Localização: Açores, Portugal
Ano: 2004

Serviços

Posted on

Março 18, 2004