A Prospectiva, representada por Luís Brito, Engenheiro e Administrador da empresa, integrou o grupo de entidades portuguesas e moçambicanas, que se reuniram no Fórum Económico Portugal-Moçambique, para debater sobre o desenvolvimento conjunto de Portugal e Moçambique. Oportunidades de negócio e financiamentos foram os dois dos temas em debate na iniciativa, que decorreu no dia 3 de julho no Hotel Intercontinental e que contou com a presença do Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyiusi e do Primeiro-Ministro Português, António Costa.

Na sua intervenção inicial, o primeiro-ministro português anunciou de 1,2 milhões de euros para apoiar a reconstrução de Moçambique das regiões afetadas pelos ciclones, sendo que 700 mil euros são provenientes do Orçamento de Estado e 500 mil de contribuições privadas. Ao apresentar os apoios à reconstrução das zonas afetadas, António Costa sublinhou que “a linha do Banco Europeu de Investimento, gerida pela SOFID, no valor de 12 milhões para investimentos em países ACP (África, Caraíbas e Pacífico)”,. “torna Moçambique elegível” tendo sido, naquele dia, “assinado o quinto aditamento para a progressão da linha de crédito concessional, no valor de 11,6 milhões de euros”.

De acordo com o chefe de Governo português, os próximos anos serão “sobretudo de promessas e oportunidades” com o “desenvolvimento de grandes projetos de gás natural e maior integração regional”, de modo a acelerar o desenvolvimento da economia moçambicana. António Costa acredita que as empresas portuguesas poderão ter um “papel importante” na construção de infraestruturas associadas a estes projetos , “estando inclusivamente preparadas para dar o seu contributo”.

Engenheiro Luís Brito representa a Prospectiva no Fórum Económico Portugal-Moçambique